quarta-feira, 9 de abril de 2014

O vagabundo perfumado

"A prática deixa você melhor. 
Porém a falta faz com que você de tudo de si quando acontece."

Aos 18 anos ela já conhecia muito sobre si.
E sabia também como abusar disso.

Conheceu alguém. Mais velho. Bem mais velho. Experiente.
Isso não a assustou, nenhum pouco, porque ele não havia conhecido ninguém como ela.

....era uma manha de sexta-feira, e ela estava fora de sua zona de conforto, quando o viu pela primeira vez. Ele era um empresário com muito estilo e papo, e isso chamou a atenção dela. Passaram o dia juntos, mas em um grupo, grande até, que não os deixou ter nenhuma aproximação. A noite combinaram de ir ate uma boate, todos do grupo. Lá ela bebeu com suas novas colegas, viu o barman fazer mágica com cartas e moedas, e por um instante sentiu ele se aproximando como que se não a deixasse aproximar-se de mais
ninguém a não ser dele.
Como o som estava alto, ele precisou se aproximar para poder falar com ela, isso fez com que ela descobrisse o quanto ele era perfumado. Com essa aproximação não demorou pra que ele a convidasse pra ir a um lugar mais afastado do grupo, "estarei esperando você ali atras daquela cortina, ok?" ela sentiu um friozinho na barriga, mas concordou.
Ele logo se retirou, indo para o lugar combinado, pouco depois ela foi atrás. Ao passar pela cortina ele a puxou e a beijou como se nada naquele momento importasse mais, nem ninguém por ali, parecia querer possui-la ali mesmo.
Beijos muito intensos, corpos quentes, ele a colocava contra a parede e ela adorando aquele homem experiente. Mas...precisavam ir embora com o grupo para o hotel, sem deixa-los entender o que tinha acontecido, o que fazia os dois ficar com mais tesão ainda.
Ao entrar no carro ele olhou pra ela e cantou "judia di mim, judia, se eu não sou merecedor desse amor!!" Ao chegar no hotel ele segurou ela pelo braço e disse "espera um minuto", foi até o balcão e pediu sua chave, mostrou o número pra ela, e disse "te espero lá em 5 minutos", eis a dúvida, "devo ir até o quarto dele ou não?".
E lá foi ela ao encontro dele.
Entrando em seu quarto ele já a beijou novamente com aquela mesma fome de antes, a deitou em sua cama, e foi arrancando sua roupa, beijando seu corpo todo e se impressionando com o corpo que ela tinha, e ela deixando ele dominar toda a situação.
O sexo deles era perfeito, encaixavam numa perfeita sintonia, como se já se conhecessem.

Um comentário:

Seja bem vindo, mas seja gentil. Comentários idiotas serão ignorados.